pixel
pixel
pixel
cadastro | dúvidas | fale conosco | links | mapa do site  
pixel
pixel
Busca:
pixel
pixel
pixel
pixel

Áreas Temáticas

Resultados do Procel

Selo Procel Edificações

Pesquisa de Posse e Hábitos

Potencial de EE para Indústria

Eficiência nas escolas

Aquecimento solar de água

Dicas
  Você está em: Procel Info »  Notícias e Reportagens »  Reportagens
Reportagens
voltar

Assunto: ESPECIAL
11.06.22
|
Eletrobras 60 anos: eficiência e inovação
Eletrobras completa 60 anos como referência em eficiência energética e inovação no setor elétrico brasileiro

Tiago Reis*, para o Procel Info
Rio de Janeiro – As Centrais Elétricas Brasileiras (Eletrobras) completaram, nesse sábado (11), 60 anos de fundação. Proposta em 1954, pelo presidente Getúlio Vargas, a lei de criação da Eletrobras tramitou no Congresso Nacional por quase oito anos, sendo sancionada em de abril de 1961, pelo presidente Jânio Quadros. A lei autorizava o Governo Federal a constituir uma empresa para atuar na coordenação de todo o sistema elétrico nacional, além de realizar investimentos para a expansão e interligação da rede elétrica existente. A instalação da empresa ocorreu oficialmente no dia 11 de junho de 1962, em sessão solene do Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica (CNAEE), no Palácio Laranjeiras, no Rio de Janeiro, com a presença do presidente João Goulart e do primeiro-ministro Tancredo Neves.

A criação da Eletrobras representou um divisor de águas no Setor Elétrico Brasileiro. Entre as décadas de 1950 e 1960, com o crescimento da população urbana e o início do processo de industrialização do país, o Brasil vivia um período de forte insegurança energética. No início da segunda metade do século passado, as empresas de energia que operavam no país atuavam de forma isolada e pouco integrada, o que proporcionava sucessivos apagões e racionamentos nas áreas urbanas de grandes cidades e pouca oferta de energia no interior do país.

Com a constituição da Eletrobras, o setor elétrico brasileiro passou a contar com um agente coordenador, que, já nos seus anos iniciais, passou a exercer de forma inovadora um papel de liderança no fornecimento de energia, implementando ações de planejamento, expansão e operação do sistema elétrico nacional. Outra característica inovadora da Eletrobras foi o fato de ela ter sido idealizada para não ser monopolista, ao contrário da Petrobras, que foi criada na mesma época. A Eletrobras foi criada para, além de coordenar o setor, ser também uma parceira no apoio estrutural dos grupos privados e das concessionárias estaduais de distribuição de energia que já atuavam no mercado, o que permitia à empresa ter uma visão global de todo o sistema elétrico brasileiro.

Com o passar dos anos, a empresa ampliou as suas operações e, com a constituição de subsidiárias, investiu em projetos de geração e transmissão de energia, já que o país tinha um grande potencial hidrelétrico inexplorado, o que contribuiu para a rápida expansão da infraestrutura de energia elétrica do país, criando condições para o desenvolvimento econômico e a construção de um robusto e confiável sistema elétrico integrado, que permite que a energia elétrica possa chegar em praticamente todas as localidades do território nacional.

Com a estabilização do fornecimento de energia, assegurada pelos investimentos da Eletrobras, que no final da década de 1970 já havia ampliado a capacidade instalada de geração de energia elétrica do país em mais de 600%, a empresa se viu diante de novos desafios. Com o segundo choque do petróleo, ao final dos anos 1970, o Governo Federal procurava alternativas para tornar mais eficiente a utilização dos insumos energéticos. Foi neste contexto que, em 1985, foi criado o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel). Executado pela Eletrobras desde então, o programa foi pioneiro e inovador no país ao tratar de forma estruturante e permanente o conceito de eficiência energética. Desde a sua fundação, o Procel contou com o trabalho contínuo de uma equipe técnica qualificada da Eletrobras, o que possibilitou, nesses 36 anos, um consumo evitado de energia elétrica de mais de 217,9 bilhões de kWh.

“A Eletrobras foi criada em 1962 e neste mês faz 60 anos. O Procel foi criado duas décadas depois e praticamente foi adotado pela Eletrobras integralmente, que investiu seus recursos próprios no programa até 2016. Em maio de 2016, foi criada a Lei 13.280 que proporcionou recursos próprios para o programa, além da criação de uma Governança. Mas até hoje a Eletrobras exerce a Secretaria Executiva do Procel e acreditamos que muito contribuiu para a economia de energia para o nosso país. Neste mês de aniversário, nós, que executamos o Procel, queremos agradecer à Eletrobras pelas enormes contribuições que proporcionou à sociedade brasileira através do Procel. Com apoio da Eletrobras foram firmadas parcerias exitosas no Brasil e no exterior para a construção de mais de 80 laboratórios de referência em universidades e centros de pesquisa. Também conseguimos triplicar o nível de eficiência energética dos equipamentos elétricos, além de educar a população através da divulgação do consumo consciente e da atuação em todos os setores da economia através dos seus subprogramas”, explica Renata Leite Falcão, superintendente de Programas de Governo da Eletrobras.

Para o Gerente do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), Marcel da Costa Siqueira, a Eletrobras é fundamental para a execução de todas as ações do programa. O gerente destaca que, além dos recursos financeiros já aportados pela Eletrobras, a infraestrutura e os profissionais disponibilizados pela empresa foram essenciais para a consolidação do Procel.

“É uma rede interna que muitas vezes não é percebida por quem está do lado de fora. Mas a contribuição da área técnica, jurídica, de comunicação e contratações da Eletrobras está muito presente no dia a dia do Procel. E, graças a essa rede, a equipe técnica do Procel consegue desenvolver os projetos que hoje estão sendo executados. Então, eu costumo dizer que a própria estrutura que a Eletrobras traz consigo é muito positiva para que o Procel seja viável como Programa de Governo e política pública”, avalia Marcel.

O gerente acrescenta que essa estrutura e credibilidade também permitem que o Procel estabeleça parcerias com empresas, universidades, instituições e governos, do Brasil e do exterior, o que possibilita um intercâmbio de conhecimento que é revertido em ações para ampliar as atividades de eficiência energética desenvolvidas no Brasil.

“É muito importante destacar que uma empresa como a Eletrobras, pela representatividade que ela tem no setor elétrico, consegue atrair parcerias e, de certa forma, contribuir para o desenvolvimento das ações do Procel. Eu fico imaginando que o Procel, sem estar na Eletrobras, certamente não teria a capacidade de atrair tantos bons parceiros como os que possui hoje. Então, a Eletrobras é uma empresa que inspira muita confiança no setor elétrico. Com isso, o Procel ganha muito, já que com todo o simbolismo, conhecimento e capacidade técnica que a Eletrobras tem, nós conseguimos estabelecer parcerias que acabam de alguma forma contribuindo para que o Procel consiga investimentos estrangeiros, parcerias internacionais e relações institucionais por meio de intercâmbio, o que gera muito conhecimento para nós. Então, quando a gente consegue entender melhor como funciona determinado mercado, como funcionam os regulamentos de equipamentos em outros países, é graças à representatividade que a Eletrobras tem com esses parceiros no exterior. E o mesmo vale para as parcerias feitas com instituições do Brasil. Então, com isso, nós conseguimos acessar uma série de conhecimentos, uma série de experiências e aplicar aqui nos processos do Procel também. Uma empresa como a Eletrobras consegue trazer esse tipo de credibilidade para os seus parceiros e estabelecer essa relação de confiança, ao ponto de contar com a participação e engajamento desses agentes em diversos trabalhos que o programa tem. Em suma, se o Procel tem hoje o sucesso de contar come um grande número de parceiros, é graças ao papel da Eletrobras”, ressalta o gerente do Procel.

Já para o Diretor Executivo do Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE), Fernando Perrone, que foi funcionário da Eletrobras por mais de 40 anos e gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética, a empresa exerce um papel único no Brasil quando o assunto é eficiência energética. Com toda a sua estrutura e quadro de colaboradores, a empresa é uma referência nesse tema tanto no país quanto no exterior.

“A Eletrobras tem uma importância fundamental no estabelecimento e no desenvolvimento da eficiência energética no Brasil. Pela estrutura que a Eletrobras tem, ela é muito importante para uma Política de Estado, que é a conservação de energia e eficiência energética. Então, a Eletrobras tem esse papel de principal agente do setor elétrico brasileiro na promoção e desenvolvimento da eficiência energética. Apesar da nossa abundância de recursos naturais, é fundamental que nós todos possamos utilizar esses recursos de forma consciente e eficiente”, analisa Fernando Perrone.

A Eletrobras, em toda a sua história, sempre buscou ser inovadora em todos os seus segmentos de atuação. E com a eficiência energética não foi diferente. O Procel Reluz, por exemplo, foi o primeiro programa de modernização dos sistemas de iluminação pública do país, uma iniciativa que contribuiu bastante para a modernização do setor, ao promover, inicialmente, a substituição das lâmpadas de vapor de mercúrio pelas de vapor de sódio e, atualmente, introduzir o LED na iluminação pública em larga escala. Com o Selo Procel de Economia de Energia, inovou da mesma forma, ao ser o primeiro instrumento de abrangência nacional a popularizar uma certificação destinada a atestar os eletrodomésticos com menor consumo de energia disponíveis no mercado.

Na crise energética de 2001/2002, a Eletrobras, juntamente com o Procel, teve uma grande oportunidade de demonstrar para toda sociedade o seu caráter inovador. Com a iminência de um racionamento de energia elétrica, a Eletrobras foi chamada para, em tempo recorde, desenvolver soluções para tirar o país do apagão. Na ocasião, o Comitê de Gestão da Crise Energética determinou uma série de medidas para reduzir em pelo menos 20% o consumo de energia no país. Entre as ações implementadas na época, a de impacto mais imediato foi no setor de iluminação pública. Com a substituição de lâmpadas ineficientes pelas novas lâmpadas com o Selo Procel, esse setor foi o que proporcionou os principais ganhos em eficiência energética no período. Outra inovação da época foi a atuação em sistemas motrizes no setor industrial, que é um grande consumidor de energia elétrica. O engajamento desse setor foi essencial para reduzir o consumo de energia e minimizar os riscos de um racionamento mais radical, sendo mais uma aposta inovadora da Eletrobras para auxiliar o país.

Para cumprir o desafio de ampliar o alcance das ações de eficiência energética no Brasil, a partir de 2003, a Eletrobras investiu na criação de alguns dos subprogramas mais conhecidos do Procel, como o Procel Edifica, Procel Indústria, Procel GEM e Procel Sanear, que passaram a fazer parte do portfólio do Procel, juntamente com o Procel Reluz e o Selo Procel.

“Não existe eficiência energética no Brasil sem a Eletrobras. E não é possível fazer eficiência energética sem desenvolvimento tecnológico e inovação. E isso a Eletrobras faz de forma única, com toda a sua estrutura, capacidade e com a qualificação técnica de seus funcionários”, conclui Fernando Perrone.

Mas a Eletrobras não para de inovar. A superintendente Renata Falcão revela que no âmbito da eficiência energética, os novos projetos desenvolvidos pelo Procel têm sempre esse caráter inovador, seja com apoio na construção de edificações com balanço energético positivo, com o fomento da eficiência energética em processos industriais, com a promoção do concurso de soluções inovadoras em eficiência energética ou com a digitalização do Selo Procel.

“Na área da indústria e edificações, graças ao alto nível técnico dos colaboradores da Eletrobras, o Procel inovou! Ficou mais Net Zero e sacudiu os preconceitos da indústria provocando os que não acreditavam no investimento e na melhoria dos processos! No Reluz, agregou a gestão energética na iluminação pública, o nosso Selo ficou mais inteligente e vai se tornar “smart”. E com perfil agressivo entrou no “Blockchain”. Nosso relatório de resultados 2022 - ano-base 2021, que será divulgado nos próximos dias, trará o tema ‘Inovação para a transição’: inovação que sempre estamos buscando e transição que teremos que viver. Então, é óbvio que temos muito que agradecer à Eletrobras. Nós do Procel e toda sociedade brasileira! Parabéns, Eletrobras!!”, ressalta Renata Falcão.

* Com informações do acervo do Memória da Eletricidade e Biblioteca do Senado Federal
Imagem para contabilização de acessos a páginas
Envie a um amigo
Imprimir
pixel
Imagem para contabilização de acessos a páginas