pixel
pixel
pixel
cadastro | dúvidas | fale conosco | links | mapa do site  
pixel
pixel
Busca:
pixel
pixel
pixel
pixel

Áreas Temáticas

Resultados do Procel

Selo Procel Edificações

Pesquisa de Posse e Hábitos

Potencial de EE para Indústria

Eficiência nas escolas

Aquecimento solar de água

Dicas
  Você está em: Procel Info »  Notícias e Reportagens »  Reportagens
Reportagens
voltar

Assunto: Panorama Nacional
27.04.22
|
Procel e Unicamp realizam projeto de Iluminação Pública para cidades inteligentes
Iniciativa, que visa a eficientização da iluminação do campus principal da universidade, funcionará como modelo para ser implementado em municípios do país

Débora Anibolete, para o Procel Info
Rio de Janeiro - A Eletrobras, por meio do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), firmou um convênio com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para a implementação de um projeto de eficiência energética em iluminação pública no campus principal da instituição de ensino superior. A iniciativa contempla a substituição das luminárias convencionais pela iluminação de LED e a instalação de um sistema de telegestão inteligente. A ação prevê ainda a elaboração de estudos e pesquisas sobre políticas públicas e tecnologias para Iluminação Pública. Dessa forma, além dos benefícios diretos para a comunidade acadêmica da instituição, a cooperação entre Procel e Unicamp objetiva o desenvolvimento de um modelo para a modernização de parques de iluminação pública municipais que possa contribuir para apoiar a disseminação do conceito de cidades inteligentes no país.

“O parque de iluminação pública das cidades vem assumindo um papel estratégico como principal infraestrutura para implementação do conceito de cidades inteligentes. Levando-se em consideração a sua capilaridade e a disponibilidade da iluminação pública nas cidades, novas possibilidades se abriram em termos de conectividade, monitoramento e aquisição de dados, por meio da implementação das luminárias LED, integradas por meio de um sistema de telegestão. Tendo em vista esse potencial, o projeto visa implementar ações de eficiência energética associadas à pesquisa e desenvolvimento, com base na substituição das luminárias públicas convencionais do parque de iluminação pública da universidade por luminárias LED, assim como dos comandos individualizados convencionais de acionamento (liga e desliga), por um sistema de telegestão inteligente”, contextualiza o analista da Eletrobras / Procel, Daniel Delgado Bouts.

Aprovado no 3º Plano de Aplicação de Recursos do Procel (PAR Procel 2020/2021), o projeto de retrofit contempla a iluminação do campus Barão Geraldo, em Campinas, no interior de São Paulo, por onde circulam de 30 a 50 mil pessoas por dia. A ação conta com um investimento total de, aproximadamente, R$ 6.046.350,89, sendo o recurso disponibilizado pela Eletrobras / Procel acrescido de contrapartida da universidade.

Atualmente, a cidade universitária conta com um parque de iluminação composto de 2.615 luminárias de vapor de sódio com potência de 250 watts. Para otimizar o consumo energético, serão utilizadas luminárias de LED de 100 watts, 80 watts e 30 watts. Além da redução da potência instalada, as novas lâmpadas serão dimerizáveis, permitindo o controle do gasto energético.

O sistema de telegestão garantirá a maior eficiência do parque de iluminação, por meio do gerenciamento da utilização das luminárias, da regulagem do fluxo luminoso e do monitoramento dos parâmetros elétricos. A estrutura contará ainda com sensores de monitoramento IoT (Internet of Things). A estimativa inicial da Unicamp é que o projeto proporcione uma redução de, no mínimo, 70% da demanda de iluminação pública do campus. O projeto encontra-se na etapa de aquisição dos materiais e contratação de serviços para instalação das novas luminárias e do sistema de telegestão. A previsão é que, a partir do segundo semestre de 2023, os primeiros resultados já possam ser verificados.

“Hoje, a Unicamp gasta cerca de R$ 35 milhões por ano com energia. Nós estimamos que 6% desse total é iluminação pública. Então, gastamos R$ 2 milhões com iluminação pública. Se nós reduzirmos 70%, vamos ter uma redução anual em torno de R$ 1,5 milhão”, calcula o professor da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação da Unicamp, Luiz Carlos Pereira da Silva.

Além do ganho de economia para a universidade e para os estudantes da área, que poderão acompanhar o processo na prática, a eficientização da iluminação do campus também servirá de base para iniciativas de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) voltadas para a área de Iluminação Pública. Assim, estão previstas pesquisas nas áreas de ciência de dados, automação e inteligência artificial. Estudos para o desenvolvimento de políticas públicas, normas e padrões para a implementação de projetos de iluminação pública para cidades inteligentes também deverão ser realizados, como explica o representante do Procel.

“Ainda na fase de pesquisa e desenvolvimento, será aprofundado o conhecimento em análise de dados para tomadas de decisão, gestão e operação das luminárias, individualmente ou em conjunto, conforme estudos e simulações. Além disso, serão realizados estudos de conforto visual, aplicação de novas técnicas atualizadas, validação de tecnologias e modelos de negócio que demonstrem aplicabilidade, relevância e viabilidade econômica para que pequenos municípios, entre outros, possam aplicar sistemas e soluções semelhantes”, detalha Daniel Bouts.

Como parte das ações de disseminação de conhecimento previstas no convênio, a Unicamp está oferecendo uma disciplina de Iluminação Pública para cidades inteligentes no curso de pós-graduação em Engenharia Elétrica, cuja turma conta com representantes de empresas e prefeituras. Após a implementação do projeto, Procel e Unicamp também planejam a realização de eventos, workshops, apresentações e treinamentos para divulgar a iniciativa para a comunidade acadêmica e o público em geral. Assim, a intenção é que os resultados da cooperação estejam acessíveis à sociedade e possam auxiliar a realização de ações de eficientização da iluminação pública nos municípios do país.

“A Unicamp vai ser um centro de apresentação para gestores municipais. Vamos desenvolver disciplinas e treinamentos e receber visitas de prefeituras interessadas em implantar sistemas inteligentes de iluminação. Vamos ter um laboratório vivo, um projeto que implanta, em um ambiente real, soluções que a gente espera que possam ser replicadas nas cidades, maiores e menores”, afirma o professor da Unicamp.

Iniciativa integra projeto Campus Sustentável da Unicamp

O projeto de eficientização da iluminação do campus Barão Geraldo submetido pela Unicamp à Eletrobras / Procel faz parte da iniciativa Campus Sustentável, que incluiu uma série de ações que visam diminuir o impacto ambiental das operações da unidade de ensino. Nesse contexto, já foram desenvolvidas atividades voltadas para a eficientização de iluminação, mobilidade elétrica, geração de energia fotovoltaica, entre outras. Iniciado em 2017, o trabalho é uma parceria entre a Unicamp e a CPFL Energia, por meio dos programas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Eficiência Energética (PEE) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O objetivo da ação é se tornar uma referência de gestão de energia e eficiência energética para outras instituições de ensino superior e também para cidades.

De acordo com o professor Luiz Carlos da Silva, que coordena a iniciativa, as ações realizadas por meio do Campus Sustentável têm gerado uma economia anual de R$ 5 milhões para a Unicamp. O recurso será empregado em novas ações de eficiência energética nos próximos três anos. Para este ano, a instituição planeja realizar o projeto Unicamp 100% LED, que prevê a troca de 100 mil lâmpadas convencionais por LED nos prédios da instituição. Também estão na programação o projeto Sustentabilidade no Ar, voltado para a substituição de aparelhos antigos de ar condicionado e uma ação para ampliar a geração fotovoltaica, que já é realizada na universidade. De acordo com os cálculos da Unicamp, a redução do consumo de energia com essas melhorias deverá chegar a 20%.

“Hoje, temos essa corrida pela energia fotovoltaica, micro e mini geração, que são importantes. Mas, se a gente analisar os projetos de eficiência energética, eles são mais interessantes do que os projetos de geração fotovoltaica em relação ao tempo de retorno do investimento. Então, na verdade, a prioridade máxima que deveríamos buscar é a eficiência energética. Primeiro eliminar o desperdício, depois oferecer energia nova. Então, seria a eficiência energética primeiro e a oferta de energia renovável depois”, destaca o coordenador do Campus Sustentável, sobre as ações em planejamento.

As atualizações dos trabalhos e demais informações sobre o Campus Sustentável são disponibilizadas na página www.campus-sustentavel.unicamp.br. As medidas adotadas pela universidade no âmbito da iniciativa também estão reunidas na publicação “Campus Sustentável: Um modelo de Inovação em Gestão Energética para a América Latina e o Caribe”. A produção contém um capítulo sobre o projeto realizado com o Procel e é disponibilizada gratuitamente pela instituição para download (https://www.campus-sustentavel.unicamp.br/publicacoes-do-projeto-campus-sustentavel/). Além da versão atual, o livro será traduzido para o espanhol, inglês e francês e difundido para 27 países pela Organização Latino-Americana de Energia (OLADE).
Imagem para contabilização de acessos a páginas
Envie a um amigo
Imprimir
pixel
Imagem para contabilização de acessos a páginas